Badoca para miúdos e graúdos

Agosto, 18 de 2020. O dia começou cedo, ao acordarmos pelas 7h. De Lisboa, a viagem até Vila Nova de Santo André, no município de Santiago do Cacém, onde se localiza o Badoca Safari Park, demora cerca de 1h30.

Em tempos de pandemia, para evitarmos comer em restaurantes e estar em espaços fechados com muita gente, fizemos a nossa merenda para almoçar depois no parque das merendas que o Badoca oferece. Não se preocupem em levar geleiras grandes com comida para a família toda, porque podem deixá-las no carro, sair do recinto para ir buscá-las e entrar com elas para usufruírem do almoço. Deixo apenas um conselho, guardem bem o bilhete. Além do parque de merendas, o parque tem um restaurante self-service, no entanto, mesmo cumprindo com todas as normas de segurança, passam ali ainda umas boas centenas de pessoas, para além das filas para almoçar. Para comidas ligeiras, rápidas e snacks, existe um quiosque de merendas no parque onde é possível comprar sandes, sopas, snacks, sumos e gelados. Eu e a minha família, somos apologistas de comida na mochila, para podermos petiscar e sentar onde der jeito.

Chegados ao parque pelas 10h, muito próximo da hora de abertura do mesmo, dirigimo-nos à bilheteira para validar os ingressos adquiridos na noite anterior pela plataforma Odisseias, onde fomos capazes ainda de poupar cerca de 3€ por bilhete. Para o bilhete normal (ENTRADA BADOCA) o preço é de 17.90€ por adulto. Este bilhete, no entanto, inclui o Safari Badoca, Apresentação de Aves de Rapina, dos Lémures e de Répteis e visita à Ilha dos primatas. Incluído também nestas actividades está o passeio pedestre ao ar livre que permite conhecer alguns animais domésticos, a floresta tropical e africana, suricatas, cangurus e muito mais!

Ao adquirir os bilhetes somos informados que o nosso Safari está programado para as 11h15, o que nos dá ainda algum tempo para nos familiarizarmos com algumas das atrações – tartarugas, porcos espinhos, cangurus, lémures, flamingos e fazer planos para o seguimento do Safari. O dia começou encoberto, mas abafado. Afinal, estamos já no Alentejo. Com o decorrer do dia, desejámos, na verdade, que se tivesse mantido assim, porque uma vez aparecendo o sol, o calor torna-se incomodativo para percorrer o parque a pé e para assistir às apresentações de animais ao ar livre.

O Safari Badoca permite desfrutar da imensidão da sua paisagem, enquanto vemos de perto e aprendemos mais sobre diferentes espécies de animais selvagens em habitat natural como girafas, zebras, elandes, gnus, avestruzes, búfalos, e muitos outros. Para além do Safari Badoca, incluído com a compra do bilhete normal, é possível ainda usufruir de experiências únicas com o Safari VIP, pois permite ir mais perto dos animais e estar até em contacto directo com alguns deles, como as girafas.

Aprendemos umas coisas giras neste Safari. As avestruzes podem ser chatas algumas vezes e acreditem, muito chatas, ou casmurras, porque mesmo um trator a puxar umas 5 carruagens cheias de passageiros, o que lhe devia garantir umas belas toneladas, precisou de contornar um par de avestruzes que se recusavam a sair do caminho. Outra característica incrível deste animal é que são muito protetores das suas crias. Vimos uma família de avestruzes em que a mãe ia à frente para guiar o caminho, as crias seguem atrás dela, e no fim da fila o pai, a guardar a família. As avestruzes fémeas têm normalmente as penas mais claras, enquanto os machos mais escuras. Já vos disse que elas podem ser chatas não já? Pois bem, experimentem ter uma avestruz a correr atrás do vosso jipe enquanto estão a usufruir da experiência do Safari VIP. Eu ri, muito, confesso, mas não deve ser assim tão engraçado.

A duração do safari foi de 45 minutos a 1 hora, sendo que o seu término foi seguido pelo almoço. As dicas para almoçar já acabei por referir no início deste texto. No entanto, aconselho sempre a levarem uma mochila com água, fruta ou outro snack para “petiscar”. É aconselhável também calçado confortável e, se o visitarem no pico do verão, que foi o caso, venham precavidos também com protetor solar e chapéu. Apesar de haverem ainda muitas zonas com árvores para fazer sombra, essas existem maioritariamente na zona das merendas, sendo o percurso pedestre ao abrigo do sol.

As apresentações dos répteis e das aves de rapina assistimos depois de almoço. Entre cada espetáculo é possível passear um bocado e conhecer os lémures, flamingos e outros animais. Durante o dia são feitas duas apresentações de cada, e cada uma é diferente, pelo que vale a pena assistir às duas demonstrações. Conhecemos tartarugas, lagartos, águias, mochos, corujas e abutres. E ainda tiramos uma foto com uma pitão. Sim, no fim de cada apresentação é possível tirar uma fotografia com uma das “estrelas”. Estas fotografias podem ser adquiridas no fim e têm o preço de 10€ cada.

Vale mesmo muito a pena assistir às duas apresentações, as duas vezes! Ficarão a conhecer mais espécies e pormenores interessantes sobre elas. Uma frase que nos foi partilhada durante as apresentações foi que “só protegemos o que conhecemos”, querendo isto dizer que precisamos de educar mais as pessoas da importância das presas e predadores, pois só assim permitimos o equilíbrio do ecossistema.

Nesta minha nova experiência, quase 15 anos após a minha primeira, aconselho vivamente a reservarem o dia todo para visitarem o Badoca Park. E podem vir a primeira vez quando os miúdos são pequenos, porque vão adorar todos os animais e todas as músicas da Disney que tocam antes de começarem as apresentações das aves ou dos répteis. Depois venham quando esses mesmos miúdos já foram maiores de idade, vai ser uma experiência igualmente incrível. E se tiverem sido fãs da Disney e não perderem a criança que há dentro deles, vão vibrar com as mesmas músicas de quando eram pequenos. Eu realmente vibrei!

Deixe uma resposta